Avaliação e aprendizagem remota

Clique aqui para baixar o slide

(Palestra ministrada por webconferência no Instituto Federal do Triângulo Mineiro – 17/06/2020 com o título Avaliação e recuperação do processo de ensino e de aprendizagem remoto em tempos de isolamento social)

O título da palestra conta com alguns termos: avaliação, processo de ensino e aprendizagem e, finalmente, aprendizagem remota, o qual nós podemos também chamar de educação a distância. Entendo que estão chamando essa prática educativa como aprendizagem remota, por um lado, pelos preconceitos que a educação a distância sofre; por outro lado, os defensores da educação a distância entendem que o trabalho que será desenvolvido sejrá realizado de forma amadora, com isso aumentaria a recusa a EaD. Essa diferenciação é importante politicamente, mas atrapalha, no sentido de que o trabalho que irá ser realizado atualmente tem muito a ver com o que nós chamamos de educação a distância. De qualquer forma, nós vamos utilizar as ferramentas da educação à distância.

Veja a websérie Conversas sobre avaliação e o curso de extensão gratuito Avaliação institucional da educação

Vamos tratar agora cada um desses termos. Comecemos pelo termo avaliação. Para compreendermos o que é avaliação é importante pensarmos primeiro em quais são os usos que são feitos da avaliação e para cada um deles quem é o principal usuário.

Regulação/controle

A avaliação como regulação é utilizada para regular as práticas educacionais. A partir da avaliação é possível dizer qual aluno foi aprovado numa disciplina e qual aluno pode continuar os estudos. Como regulação ela permite que o estudante atue como profissional em uma determinada área do conhecimento.
A sociedade que determinado indivíduo tem como competência atuar em uma determinada área profissional. O principal usuário dessa de regulação é a instituição, mas indiretamente a sociedade também o é, ao ser informada que determinado indivíduo tem competência profissional.

Veja outros textos da pesquisa Avaliação educacional: teorias dos anos 1980. 

Hierarquizar

Os processos de avaliação também cumprem a função de hierarquizar os indivíduos tendo como referência o desempenho escolar. O principal usuário destes processos são os sistemas de seleção, o mais clássico é o vestibular ou atualmente o ENEM.

Formativa.

A avaliação formativa tem como usuário principal o estudante, informa a ele quais são os pontos que precisa rever, ou melhorar e quais pontos ele conseguiu ter aprendizagem.

Diagnóstica

A avaliação diagnóstica permite ao professor compreender qual o estágio de aprendizado dos seus estudantes subsidiando a sua prática pedagógica.

Veja textos sobre Avaliação e Regulação da Educação Superior brasileira:  história e políticas 

Melhoria

A avaliação para melhoria visa compreender em que pontos algumas práticas podem ser melhores que outras, é muito parecida com a diagnóstica, sendo a sua grande diferença que na diagnóstica busca-se limitações ou erros; por sua vez na de melhoria, tem se a visão de que algo que já é bom pode ser melhor ainda.

Monitoramento

A avaliação pode também contribuir para monitorar a implantação de alguma política ou projeto. Avalia-se que o planejado está sendo executado. Neste caso o principal usuário são os gestores.

Tomada de decisão.

A avaliação pode subsidiar aos gestores na escolha por uma ou outra ação, produto, políticas etc. Normalmente se utiliza a relação custo/benefício como referência principal neste tipo de avaliação.
Existem ainda muitos outros usos que não iremos apresentar aqui.

Explore o blog 

A estrutura da avaliação

Da psicometria resgato a estrutura da elaboração de processos avaliativos. Como pode-se observar na figura a avaliação conta com polos. No primeiro estão as referências que serão utilizadas no processo avaliativo; dependendo da teoria pedagógica que se utiliza pode ser conteúdo e/ou habilidades e/ou valores.


Ligado a este primeiro polo temos o polo da medição que também é influenciado pelas teorias pedagógicas que serão adotadas, com a referência para avaliação e com o uso que será feito por esta avaliação. Sendo como objetivos de hierarquização o modelo de medição ou de valoração será diferente da avaliação formativa.
No polo oposto temos o planejamento do instrumento de avaliação que será utilizado. Por último temos o espaço do resultado, que também é condicionado pelo uso que será feito, se for regulatório ele deverá ser o mais simples possível, por exemplo, aprovado ou reprovado.

Ainda na definição da avaliação temos a questão de quando ocorrerá a avaliação. Em linhas gerais, podemos definir em 3 momentos. Antes, que ocorre principalmente para as avaliações diagnósticas e avaliações para tomada de decisão. Durante o processo educativo, usado pelas avaliações formativas e de monitoramento, em alguns casos também para a avaliação diagnóstica. Depois, ocorre principalmente nas avaliações com fins de regulação ou de hierarquização.
Como afirmamos anteriormente as escolhas pelas práticas avaliativas vão estar intimamente ligados a concepção pedagógica que está sendo implantada. Por exemplo, a avaliação em uma visão tecnicista será diferente de uma visão métodos passivos ou ao contrário dos métodos ativos, como será diferente da visão que valoriza a memória (mnemônico). Dentro desta concepção aqueles que entendem que o conteúdo é mais importante irão avaliar diferente daqueles que compreendem que as habilidades e competências são mais importantes.

Veja textos sobre Universidade e nova gestão pública 

Avaliação presencial

Quando nos dirigimos a sala de aula, podemos dividir a educação em três momentos. O antes quando ocorre o planejamento, a escolha do material didático. Como já dissemos este é o momento da avaliação diagnóstica; O durante é o momento do ensino e da atividade de aprendizagem, aqui predomina a avaliação formativa. O último momento o da avaliação final temos a avaliação regulatória. No ensino presencial, estes três momentos não são tão rígidos e formais. Durante as aulas podemos inserir um texto novo. A partir de um diagnóstico do desenvolvimento da turma reformular o planejamento. Muito das avaliações formativas são informais, um aluno que mostra um exercício realizado na sala de aula ao professor receba uma avaliação informal do trabalho que está sendo desenvolvido.

Veja Veja textos sobre A qualidade da educação superior: o Sinaes em Foco

Avaliação na EaD

Na educação a distância ou trabalho remoto os dois primeiros momentos são mais rígidos e a avaliação formal se mistura com o processo de ensino aprendizagem. A relação professor-aluno é muito menos intensa. O aluno tem maior autonomia para o desenvolvimento da sua aprendizagem. Neste modelo predomina os métodos ativos e alguns momentos a visão tecnicista da educação.
Na educação a distância o papel docente é dividido em duas partes, o de professor conteúdista e do professor tutor. A função conteúdista ocorre no momento do planejamento do ensino da definição/elaboração do material didático que será utilizado e da montagem do ambiente virtual de aprendizagem, na qual os estudantes irão realizar as suas atividades. A função de tutor é de acompanhar o desenvolvimento das atividades pelos alunos. Neste ponto a principal prática pedagógica do docente é de acompanhar o desenvolvimento das atividades dos estudantes. Neste ponto a avaliação se torna um forte instrumento de formação pedagógica e de controle da realização das práticas educativas. Mesmo a chamada na educação a distância também é uma avaliação, mesmo quando o professor utiliza mecanismos de webconferência os estudiosos em EaD apontam que ela ocorre pela entrega de alguma atividade por parte do aluno que comprove a sua participação, até porque muitos estudantes assistirão a webconferência por gravação.
Na EaD a avaliação formativa é o chamado de feedback ao estudante, a onde se aponta os seus erros, como melhorar, as suas virtudes, problemas etc. Muitos professores tutores para agilizar o feedback utilizam chaves de correção com erros e virtudes frequentes, não precisando elaborar uma resposta individualizada a cada aluno, apenas selecionando a orientação que se aplica em cada caso.

Veja textos sobre Discursos impressos e Políticas Educacionais

A avaliação regulatória, ela tem como característica de ser somativa e por isso chegar a uma nota final. Para evitar que esta avaliação regulatória acabe se tornando um forte instrumento de tortura dos alunos, não permitindo que eles arrisquem, em muitos casos avalia-se apenas a entrega da atividade.
O que avaliar? Nos métodos ativos as avaliações estão intimamente relacionadas com as atividades que são realizadas pelos alunos; dou alguns exemplos, a atividade leitura resulta em fichamentos e resenhas, assistência a webconferência em relatórios, fóruns virtuais avalia-se a participação; jogos resulta em avaliar desempenho e/ou resultados.
Uma regra básica da didática é de que o professor deve aplicar instrumentos variados de avaliação, mas também deve dimensionar a quantidade a sua capacidade de correção. Na educação a distância como a avaliação está sempre presente no processo educativo, a questão do dimensionamento é um dos grandes problemas a serem enfrentados.
O momento da avaliação final, que na visão formativa é o momento do balanço final do que se aprendeu durante o semestre, na avaliação regulatória da educação a distância ela é realizada presencialmente, pois é uma forma de saber se foi o estudante que realizou as atividades. Em tempos de isolamento social é irresponsável querer ter os alunos presencialmente. Temos que confiar no aluno.

 Veja textos sobre orientações de Metodologia do Trabalho Científico